24/09/2013 20:13

Nível de desemprego em Divinópolis supera todas as cidades da região nos últimos 12 anos


Apesar de produzir moda de alta qualidade o setor confeccionista de Divinópolis teve que reduzir produção

 

Os números divulgados na sexta-feira (20) pelo Ministério do Trabalho através do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) trouxeram uma surpresa desagradável para Divinópolis. A maior cidade do Centro-Oeste de Minas Gerais, com o maior volume comercial da região, contabilizou apenas 391 novas vagas de emprego no período de janeiro a agosto deste ano. O dado apontou, ainda, que Divinópolis ficou atrás de seis municípios da região, todos com população e movimento comercial infinitamente inferiores. A cidade ficou atrás de Bom Despacho, Nova Serrana, Lagoa da Prata, Itaúna, Oliveira, e Pará de Minas.

O Caged - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho foi criado em 2002 e mede o comportamento do País, Estados  e Municípios na criação de novas vagas no mercado de trabalho. Com base nesses levantamentos, é possível verificar que dos sete municípios comparados, apenas Divinópolis e Itaúna registraram índice de desemprego nos últimos 12 anos. Coincidentemente, são os dois únicos municípios comparados administrados pelo PSDB.

Em 2002, Divinópolis vivia período favorável ao setor confeccionista e o município fechou o ano com 2.023 novas vagas no mercado de trabalho. Já em 2013, somente no período de janeiro a agosto, a cidade registrou apenas 391 novas vagas, o que significa uma queda de 417,39%, ou seja, mais pessoas foram demitidas do que contratadas, verificando-se o aumento formal no índice de desemprego. O mesmo aconteceu em Itaúna, porém na vizinha cidade a queda foi menos impactante, já que ficou apenas em 14,25%.

Enganam-se aqueles que acreditam ter sido Nova Serrana o grande destaque na abertura de novas vagas de emprego nos últimos 12 anos. Despontou mesmo foi a cidade de Bom Despacho, administrada pelo PPS, que em 2002 teve saldo negativo de menos 18 vagas de emprego, enquanto nos primeiros oito meses de 2013, o município abriu 952 novas vagas, aumento de 1.890%. Outro destaque foi Oliveira, que em 2002 fechou o ano com saldo positivo de apenas 197 novas  vagas. Já em 2013, até o mês de agosto, abriu 798 vagas, crescimento de 305,07%.

Quando se compara os 12 anos de pesquisas feitas pelo Ministério do Trabalho, o grande destaque fica para a cidade de Nova Serrana, que neste período viu sua população mais que duplicar, abriu o maior número de vagas não apenas na região Centro-Oeste, mas ficando entre as cidades de Minas que mais ofereceram oportunidades no mercado de trabalho.

Ao contrário da vizinha cidade, Divinópolis só perdeu nos últimos anos. Sem incentivos do poder público local, o setor confeccionista passou a enfrentar  um concorrente ainda mais forte: o tecido importado da China, que passou a chegar mais barato ao país, tornando o produto divinopolitano menos competitivo no mercado interno e externo. Houve ainda drástica redução do setor siderúrgico e, o setor de comércio, que sempre foi o maior empregador da cidade, sentiu os reflexos da instabilidade econômica que atingiu o município.

EVOLUÇÃO POPULACIONAL

CIDADE 2002 2013 %
Bom Despacho 39.943 48.350 21,04%
DIVINÓPOLIS 183.962 226.345 23,03%
Itaúna 76.862 90.084 17,20%
Lagoa da Prata 38.758 49.089 26,65%
NOVA SERRANA 37.447 84.550 125,78%
Oliveira 37.250 41.181 10,55%
Pará de Minas 73.007 89.416 22,47%

Fonte: IBGE

EVOLUÇÃO DO EMPREGO (vagas abertas)

CIDADE 2002 2013* %
Bom Despacho -18 952 1.890%
DIVINÓPOLIS 2.023 391 -417,39%
Itaúna 954 835 -14,25%
Lagoa da Prata 404 1.124 178,21%
NOVA SERRANA 1.825 3.909 107,37%
Oliveira 197 798 305,07%
Pará de Minas 506 639 26,28%

Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego
* Os números de 2013 correspondem ao período de janeiro a agosto

O que levou a indústria calçadista de Nova Serrana a superar todas as crises?

Assim como a vocação de Divinópolis é o setor confeccionista, Nova Serrana seguiu praticamente o mesmo caminho, porém no setor calçadista. Os dois ramos enfrentam os mesmos problemas, o crescimento depende unicamente do humor do mercado geral, especialmente do dólar, a mão de obra precisa ser qualificada e a matéria prima, mesmo que seja adquirida no mercado interno, tem o preço atrelado à cotação da moeda norte americana.

Portanto, se as situações são parecidas, qual  foi o segredo de Nova Serrana para crescer seu parque industrial, ao contrário de Divinópolis, que nos últimos anos vem perdendo espaço para outros municípios do próprio estado? Pequenas confecções não suportaram a competição externa e os confeccionistas que permanecem no mercado tiveram que reduzir gastos e, com isso, houve queda automática na produção, bem como na abertura de novas vagas de emprego.

Ao contrário de Divinópolis, o poder público de Nova Serrana nos últimos 10 anos, entendeu que a indústria calçadista era a galinha dos ovos de ouro do município. A Prefeitura assumiu sua reponsabilidade criando órgãos municipais fortes de apoio ao empresariado, que por sua vez investiu na qualificação da mão de obra, na valorização da marca local e, principalmente, apostou em um sindicato forte. A receita deu certo e o crescimento de Nova Serrana, em todos os sentimentos, está atrelado e depende hoje exclusivamente do setor calçadista. 

—————

Voltar